FANS DO TURCA

domingo, 9 de janeiro de 2011

LUGARES QUE VOCÊ NÃO QUER CONHECER !

Faltavam poucos dias para a chegada de 2011 e eu fui presenteado com um maravilhoso acidente envolvendo um motoqueiro.




Acidentes com motoqueiro são muito piores que passar embaixo de um escada, quebrar um espelho, transar com um gato preto ou ter um filho São Paulino.



Na cidade de São Paulo, qualquer acidente que envolva Motoqueiros você já saberá que independente da situação, se você está certo ou errado, a partir do momento do impacto , você está fudido.



Então, começará um ritual amaldiçoado que terá seu início com o desgraçado estirado no meio fio, cercado de companheiros prontos para te agredir e te culpar pelo acidente.



Neste momento, a saída é ficar calado e rezar para que apareça logo um Marronzinho.



A chegada do Marronzinho não vai ajudar em PORRA nenhuma a não ser na dispersão dos outros motoqueiros que estão quase que 100% com as documentações irregulares.


Mas antes de irem embora, deixarão seus nomes e telefones ao acidentado para servirem de testemunhas na futura ação judicial.



Essa classe é muito unida na Filha da Putagem. Muito parecida com os condutores de veículos que vêem todo o acidente e o máximo que fazem é reduzir a velocidade causando trânsito e sadicamente olham detalhadamente o acidentado em busca de partes de corpo esmagado, braços estirpados e pensam...

... esse daí se fodeu.



Obrigado Motoristas.



Bem, chega a hora que esta apenas você em pé o motociclista deitado e o CET olhando pra sua cara.



Os três esperando a maravilhosa ambulância do Resgate.




Durante a espera , você terá a sorte de ter amigos passando na mesma via onde ocorreu o acidente e prontamente todos eles irão te ligar porque te viram lá.



Quando você atende ao telefone, ouve uma sonora risada e na sequencia :



_ Aêeeee, se fodeu !!!






Essa demonstração de carinho é revigorante e consola nosso espírito.






Muito bem, após 40 minutos chega a Ambulância, graças a Deus o acidentado ainda não estava vomitando sangue.



Após o atendimento na via pública e mais de 3 km de congestionamento você percebe que os motoristas passam e começam a te xingar, mesmo que o motoqueiro tenha batido na sua traseira . Não importa, naquele momento o filho da puta é você. Conforme-se.



Próximo passo, HOSPITAL PÚBLICO



Você será convidado a acompanhar o Sr. Motoqueiro até o Hospital público mais próximo.



Chegando lá você encontrará verdadeiras pérolas da Saúde pública.




Todos os funcionários estarão envolvidos com assuntos prioritários como, cafezinho, cigarro, lanche, novelas, Big Brother Brasil ou Futebol.



Algumas enfermeiras lésbicas estarão falando de mulheres.



Enquanto isso os enfermos da periferia estarão pacientemente aguardando na sala de espera com suas secreções saindo pelos ouvidos, lacrimejando sangue ou se arrastando pelos corredores de joelhos.



Aliás o espaço destinado à sala de espera era insuficiente para o público enfermo.



Desta forma uma atitude criativa maravilhosa foi realizada no local, ampliando a sala de espera para fora do hospital colocando a todos ao relento, na chuva ou sol.



No próprio hospital você precisa ligar para o 190 e solicitar uma viatura para lavrarem o Boletim de Ocorrência.



Bem, então foi isso que fiz exatamente às 19:00h

 

São agora 20:30h e a viatura não chegou. O Motoqueiro já está liberado com seu tornozelo e clavícula quebrados.



Enquanto você pensa se tem dinheiro para pagar a indenização que o Filho da Puta vai te pedir.



Comecei a sentir fome.



Nas imediações destes hospitais sempre existe uma variedade grande de opções para se alimentar bem e decentemente.



Por isso procurei o melhor restaurante da região e comi o maravilhoso pastel de farinha.



O pastel de farinha é rico em farinha de trigo, farinha de rosca, farinha de milho e farinha láctea e dois folículos de carne moída(de origem desconhecida, claro).



Com a boca empapada de farinha seca, retorno ao hospital onde encontro a mesma cena.



O Motoqueiro na cadeira de rodas, sem camisa com frio embaixo da chuva com cara de idiota.



Ao lado dele 3 amigos sedentos pelo meu dinheiro.



Já são 21:40h e a viatura que eu pedi às 19:00h ainda não chegou.



Após a 17ª ligação recebi o compromisso da polícia que a viatura chegaria em até 6 horas.



Muito feliz pelo prazo de atendimento e tendo que tratar o Policial de Senhor retornei à recepção do hospital e passei a observar as demais personalidades.



Lá eu conheci a Enfermeira Maria Alcina , uma espécie de mulher com metade homem vestida de branco e careca com um lenço na cabeça.





Também conheci Vovó Popeye. Vovó andarilha que entra no hospital 15 vezes ao dia querendo atendimento sem estar doente.



Essa vovó tem os olhinhos pequeninos quase do tamanho de um grão de areia e os mesmos são recobertos por remelas e estão quase sempre lacrimejantes.






Vovó Popeye é símbolo da sobrevivência e Determinação do Povo Brasileiro.



Bem, agora são 23:00h, estou cansado e com vontade de terminar o serviço no motoqueiro.



Meia Noite, finalmente chega a Viatura, graças a Deus cumpriram o Prazo. 6 horas em ponto.



Dois Soldados com menos de 23 anos de idade antes de dar boa noite se dirigem ao motoqueiro e fazem a pergunta :



_ O Senhor vai processar judicialmente o condutor do veículo ?



Neste momento eu já estava ligando para meus amigos para pedir dinheiro emprestado.



Milagrosamente o Motoqueiro declina ao direito que este país dá a ele e diz :



_ Não senhor, o rapaz me prestou socorro e foi um acidente corriqueiro.



Eu quase não acreditei.



Tive vontade de sodomizar a Vovó Popeye.



O Policial nitidamente PUTO voltou ao carro com meus documentos.



Voltou após 40 minutos e NOVAMENTE intimou o motoqueiro:



_ O Sr. Vai processar o motorista ou não ?



O motoqueiro ficou sem saber o que responder. Ficou em silêncio uns 10 segundos sem entender, mas confirmou :



_ Não, não vou não, foi um acidente.



O Muleke da Polícia ficou puto, você percebe nitidamente que o cara tá pensando uma forma de te foder, de te arrancar uma grana , mas não acha uma alternativa.



Então quase uma hora da manhã é feito um Boletim de ocorrência manual.

Os policiais vão embora e o motoqueiro aproxima-se.



_ Meu amigo, será que você não pode me ajudar a arrumar a minha moto ?



Em outras palavras :



“ Olha, eu sei que estava errado, mas eu decidi não te foder na Justiça. Assim sendo, você arruma minha moto e fica tudo bem”



Então você tem que pensar o seguinte :



“ Eu não tive culpa no acidente. Mas esse cara poderia me arrancar uma grana mesmo assim”






Então, em uma fração de segundos perdi R$ 330,00. SEM TER CAUSADO O ACIDENTE.



Obrigado Brasil.



Você acham que acabou por aí né ? AH!!! Eu também achava, mas não acabou não.



Havia mais um lugar a conhecer. A DELEGACIA !





Isso, Após 5 dias eu deveria ira até a delegacia pegar o BO original, aquele que receberia a chancela do Sr. Delegado.



Hospital Público e Delegacia fazem parte daqueles lugares malditos que você reza não precisar NUNCA entrar na vida.



Chego na Delegacia, uma fachada destruída, quase um cenário de demolição, estava chovendo e na entrada nem um pano de chão pra secar o sapato. O piso imundo com a marca dos coturnos e barro pra todo lado.

Fui recepcionado pelo Soldado Oliveira que estava sozinho no posto sentado em uma caixote de uvas . À frente dele uma mesa de escrivaninha digna de doação de empresas falidas, toda surrada com o madeirite aparecendo.

Mas o que me chamou mesmo a atenção foi a presença da Soldado Catarina.



A Soldado Catarina se fosse homem seria aquele caminhoneiro que para na beira da estrada para defecar ou urinar. Daqueles que andam com as calças no meio da bunda.






Estava sentada em uma cadeira sem encosto , praticamente deitada na cadeira, encostada na parede.



Estava literalmente CAGANDO E ANDANDO para quem ali estava.



Estava contando piadas e dava tapas na barriga na hora de rir.



Eu tive vontade de arrancar o coração da gorda escrota com minha mão.



Segui meu suplicio tratando o Maldito soldado por Senhor.



Ele me aparece com o mesmo BO que preenchi no dia. Manual.



Chegou pra mim e disse :



_ Cidadão, agora nós vamos tirar uma cópia deste BO e autenticar.






Eu respondi:



_ Tudo bem Senhor, fico no aguardo.






O mesmo recolheu meu documento e disse :



- Então agora eu fico com seu documento e você vai até uma papelaria tirar Xerox e me trás a cópia aqui.



Eu dei uma de louco e perguntei se era aquilo que tinha entendido.






Ele carinhosamente repetiu chamando-me novamente de cidadão e disse que na unidade não havia máquina copiadora.






Eu acrescento dizendo que também não havia lá os seguintes itens : Computador, máquina de escrever, telefone, fax, cadeiras, mesas , água. Em resumo : Não tinha PORRA NENHUMA LÁ !



Corrigindo :Tinha luz, uma poderosa e ofuscante lâmpada de 60 velas.



Calmamente e resignado fui atrás de uma papelaria na chuva para copiar a porra do documento.



Depois de 40 minutos retornei.



Encontrei o Soldado Oliveira conversando sobre amenidades com o Sargento Olegário que estava lá circulando de pijama pois o local também é um Quartel.





Achei interessante estes Oficiais circularem de pijamas com seus nomes bordados na camiseta furada e com manchas amarelas embaixo do braço e no pijama na altura da genitália



Após 10 minutos discutindo sobre a contusão do Valdívia com o Sargento o Soldado gentilmente me atendeu.



Pegou a Cópia e disse :

_ Agora vamos autenticar.



Sentou no caixote de uvas fez um rabisco na folha e disse :



_ Está autenticado, agora vale como o original.






Saí daquele local, tive que agradecer e ainda desejei feliz ano novo, quando na verdade queria mandá-los à merda.



Assim sendo, constatei que realmente a segurança pública deste Estado está Falida.



Ainda bem que pago o Guarda Noturno cuja ferramenta de combate é a frase :



_ Não assalte essa casa em nome de Deus.






Fim de Papo.






O Turca.
Ocorreu um erro neste gadget